Assim devia ser a viagem?
Quero servir-me deste blog para aprender português e divertir-me enquanto recordo alguns velhos quadrinhos espanhois (algum atual). Seguramente logo de mil anos eu rirei com todos os absurdos gramaticais e erros ortográficos... "Terei um montão de post por corrigir!"
Perdoem os erros gramaticais, qualquer indecisão ortográfica, e assinalem essas faltas se dispusserem de tempo, obrigado!

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

125 Anos do nascimento de Castelao.

Título: Castelao.
Guión: (Textos) Siro e Mazaira.
Desenhos: Cubeiro.
Editorial: Nova Galicia.
Data de publicação: 1987.

[Álbum colorido (30x22) com capa dura, 66 páginas, prólogo de Antonio Fraguas Fraguas director do Museo do Pobo galego. Textos em galego-castelhano.]

Ainda sem adaptação para os quadrinhos dalguma das suas obras, encontro esta péssima notícia sobre o pioneiro do humor gráfico, pintor, escritor, dramaturgo, e político galego, Castelao no Portal Galego da Língua:

"Apesar de o nome de Castelão estar muitas vezes em boca de dirigentes do PP, muitas vezes
para descontextualizar as suas posições políticas, a Junta da Galiza negou-se a declarar 2011 como Ano Castelao, mesmo apesar de que fará homenagens a Valle-Inclán —autor em língua espanhola— ou Álvaro Cunqueiro —autor em galego e castelhano—. Nom se pronunciou, porém, a Junta, acerca de um outro ilustre das nossas letras, Ernesto Guerra da Cal, cujo centenário do nascimento será no mês de dezembro."

Não é tão difícil tapar buracos no calendário cultural da Junta da Galiza. Quiçá uma churrascada popular nos telhados da Catedral de Santiago de Compostela como homenagem aos desportistas da seleção galega de futebol e aos próprios políticos. Tambem Deus gosta de jogar matraquilhos.

Castelao em HQ biográfica com desenhos do ilustrador galego Cubeiro. Mas desconheço a verdadeira autoria do desenvolvimento argumental desta obra, é um roteiro adaptado ou um roteiro original? Na capa, indica-se como escritores dos textos a Siro e Mazaira. O primeiro deles deveria ser o humorista gráfico galego Siro (López Lorenzo), mas o segundo autor, Mazaira, é uma incógnita para mim. Ainda que vi catálogos de Banda Desenhada galega com uma indicação Mazaira Grafismo.
Porém, para que não falte alguma certeza, o prólogo tem o estilo clásico dum texto criado para apresentar uma obra canónica ou um personagem real às crianças: utiliza entre aspas a palavra cómic, rasgo significativo duma maioria de textos e artigos de divulgação sobre Banda Desenhada escritos em galego-castelhano dos anos oitenta e noventa -ainda hoje mudando aos meninos por adultos e o cómic pela novela gráfica-. Não há duvida nenhuma que Castelao é uma BD infanto-juvenil ainda que deveríamos perguntar-nos se um menino ou uma menina desejariam ler um quadrinho deste estilo.
Eu fui criança, juro-o, também fui menino ameaçado por estes produtos danosos. E eu sobrevivi, mas quantos meninos jamais voltariam a ler histórias em quadrinhos depois da leitura deste álbum?
Foi um trabalho mostruoso o que tentaram realizar os autores, ou o desenhista com ajuda do designer gráfico, para resumir a vida de Castelao em 66 páginas. (Clica nas imagens para veres uma mostra.) No fim das contas, o único conteúdo a trabalhar em seu favor é a inclusão das caricaturas, as pinturas, as ilustrações e as capas das edições originais das obras e desenhos do escritor galego. Todos os fatos importantes da vida deste homem, pessoais, artísticos e sociais, foram depositados como uma mercadoria ou um objeto de conhecimento. Como uma exposição de vida morta. E criança não precisa borboletas mortas em suas cabeças, criança quer pássaros livres. Quadrinhos livres. Adaptações que eu li hoje, como [link]--> Memórias Póstumas de Brás Cubas
Quiçá algum dia Castelao seja melhor adaptado para os quadrinhos, sua vida ou suas obras.


Também eu não quisesse abandonar aos leitores com uma má impressão, assim que preparei uma série de links onde apreciar o trabalho como humorista gráfico e ilustrador deste artista. Ainda que o primeiro é um extraordinario artigo publicado na revista digital Tebeosfera nº 5 (2009) dedicado ao Horror, do humorista gráfico e crítico José Luis Castro LOMBILLA []-->
Horror se escribe con Hache

Castelao na Rede
[]--> castelao.tripod.com

Museo Castelao
[link]--> www.museocastelao.org


7º Edição dos Prêmios de Banda Desenhada Castelao.


Eu acho que também é importante mencionar que a
Deputación da Coruña convocou a 7ª edición do Premio de Banda Desehada Castelao dotado cum prêmio de 6.500 euros e a publicação do ganhador.
Até o 31 de março. Podem-se presentar todos os quadrinistas e desenhistas (maiores de idade) de qualquera nacionalidade, BDs/HQs em galego inéditas e jamais premiadas noutros certames ou prêmios.


Bases
do [link]--> Prêmio de Banda Desenhada Castelao

Um comentário:

Sara disse...

É um dos meus livros favoritos. Quando eu estava perguntando em internet sobre aluguel buenos aires, eu encontrei um blog sobre livros esquecidos em hotéis e apartamentos para alugar. E eles tinham que muitos se esquecem deste livro.