Assim devia ser a viagem?
Quero servir-me deste blog para aprender português e divertir-me enquanto recordo alguns velhos quadrinhos espanhois (algum atual). Seguramente logo de mil anos eu rirei com todos os absurdos gramaticais e erros ortográficos... "Terei um montão de post por corrigir!"
Perdoem os erros gramaticais, qualquer indecisão ortográfica, e assinalem essas faltas se dispusserem de tempo, obrigado!

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

BD online de Rafa 'Vampiro' Fonteriz.

El lado salvaje homenageia a febre das tiras clássicas dos jornais e passou a ser disponibilizada de ponta a ponta no blog de seu autor Rafa Fonteriz. Além disso, tambem mostra como se dá a evolução das ilustrações prévias e mostras de roteiro desenhado desta mesma HQ e doutras obras do quadrinhista espanhol.

[Link]--> rfonterizsketchblog.blogspot.com

No final, uma 'enquisa'. Qualquer leitor do blog poderá escolher uma obra pela sua capa, depois eu tentarei escrever um post de cada uma das obras selecionadas.











































































































































quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Doctor Vertigo e a doutrina mórbida

Título: Doctor Vertigo.
Roteiro e desenhos: Martí.
Editorial: Ediciones La Cúpula.
Data de publicação: 1989.

[
Álbum 28x22, 56 pá
ginas, preto e branco, capa branda. Publicada previamente na revista El Víbora de Ediciones La Cúpula. Prêmio Mejor álbum del año - Salón del Cómic de Barcelona 1990]

Segundo dados de uma enquisa de opinião publicada em El Víbora no ano 1989 Doctor Vertigo era uma das histórias favoritas entre os leitores da mítica revista de banda desenhada, e este personagem um dos mais populares competindo com Fat Freddy´s Cat de Shelton e Sarita de Pons, Galiano e Marta. Ainda que atualmente não exista uma pesquisa que o constate, Martí permanece um dos autores mais reivindicados pelos leitores, críticos, editores e artistas dos quadrinhos. E não unicamente por participar como um dos principais desenhistas nos inícios da revista mais longeva do underground espanhol (1979-2005), senão pela atmosfera, os rasgos psicológicos de seus personagens e a luz de suas histórias. Onde as paisagens urbanas, o ambiente contemporâneo e a coerência entre o contraste dramático do crime e os diferentes graus de adaptação ou desadaptacão social se desenvolvem enfrentandose dramaticamente mediante situações que documentam a angústia e a morbidez do corpo social.
Nesta história em quadrinhos se encadeiam imagens como numa peripécia novelesca, quase conformando o palco da marcrorúbrica de uma obra de teatro com que representar a situação vital de uma mulher casada e sem filhos. Alicia, dona de casa cuja única evidência de sua própia realidade a constitui o vínculo social estabelecido com seu marido Luciano mediante a cerimônia do casamento. Um argumento realista coreografiado pelo autor a partir da intriga provocada por uma provável aventura extramatrimonial de Luciano e a depressão crônica de Alicia que a induzirá à ingestão sem control de antidepressivos e a cair no poder do Profesor Trauman, um acólito da psiquiatria do sintoma e a culpabilidade, que anulará a personalidade de Alicia para explodíla sexualmente.
A organização e combinação de bens de consumo como detergentes e eletrodomésticos junto a outros objectos
(retratos, cruzes...) utilizados a modo de emblemas ou também como elementos alegóricos e, inclusive, como símbolos plenos, unidos à experiência social ou individual da memória dispõem simultaneamente o contexto sociocultural e o confronto entre a distinta extensão perceptiva das personagens e o tempo subjectivo da narração alheo ao espaço físico, que se adequa à geografia lendária do mito familiar da imagem redobrada dos pais. Um desafio dramático que se translada ao domínio da mente quando o Doctor Vertigo aparece para resgatar à protagonista dos abusos psíquicos dos agentes sociais (a moda, os progenitores, o Profesor Trauman) . O super-psiquiatra se sumerge no sonho de Alicia descubrindo uma mente impregnada de consignas religiosas e tratando de desvelar a autêntica causa do mistério da depressão à medida que supera as barreiras sexuais e as intoxicações que o professor Trauman enxertara na psique de sua nova paciente.




Se alguém encontra este velho álbum... Trata-se dum desses quadrinhos que deveriam publicar-se em todos os países. Não é casualidade que Martí dedicará este álbum ao psiquiatra Carlos Castilla del Pino 'el Psiquiatra rojo' (e uma citação de John Lennon, "Nada é real").






Fundación Carlos Castilla del Pino

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

O Superdepor e Bilardo.


Título: Forza Depor! e Eurodepor.
Roteiro: Kike´s (Henrique Tello León e Enrique Vázquez Pita).
Desenhos: Enrique Vázquez Pita.
Editorial: Forza Depor (autoedição), Eurodepor (Bahia Edicións).
Data de publicação: Forza Depor! (1992) , Eurodepor (1993).

[Cadernos grampados, 30x21,capa colorida, interior preto e branco, 44 páginas. Calros Silvar, rotulista. Eurodepor inclui um poster do Deportivo 1993-94 ilustrado por Enrique Vázquez Pita]

Paixão e história do Superdepor,
depois do regresso da equipe formada pelo hoje mítico presidente do clube Cesar Augusto Lendoiro e o treinador Arsenio Iglesias à primeira categoria do futebol espanhol.
Uma das curiosidades futebolísticas refletidas nesta BD é a agressão de Diego Armando Maradona ao jogador do Deportivo Alberto Albístegui:
O 6 de fevereiro de 1993, Carlos Salvador Bilardo, quiçá o pior e mais violento dos treinadores que eu vi na TV, assassinou o esporte profisional nesta cena quadrinhizada polos autores de Forza Depor e Eurodepor. Bilardo ataca verbalmente ao médico de sua equipe enquanto este ajuda ao jogador do Deportivo, ademais, sua frase "Pisálo. Pisálo. Los colorados son nuestro. ¡Los colorados son los nuestros! ¡Al enemigo ni agua!" (Pisai-o. Pisai-o. ¡Os colorados são nossos! Ao inimigo nem água) se voltaria célebre guia e cânone da arte
do desprezo à vida gerando outro episódio muito desagradável durante o partido final da Recopa de 1995 entre o Arsenal e o Real Club Zaragoza. Efetivamente, depois da derrota de sua equipe, os jornalistas ingleses escreveriam sobre a bondade e os sentimentos do público espanhol ao confundir a pronunciação da frase 'bilardiana' Pisálo. Pisálo. com Peace and love. A frase assassina do público espanhol que forçava à polícia a golpear aos espectadores ingleses.
A história do Superdepor é melhor em suas vitórias e suas derrotas do que o assassino Bilardo, assim se reflete nesta curiosa BD em língua galega com Ñ.

[Link]--> Forza Depor e Eurodepor
Divulgando Banda desenhada []-->
Álbuns de BD imprevisíveis e difíceis de obter (X) - Luís Figo e a Taça Mundial contra a tuberculose (Provas pré-impressão)
Marcus Ramone
no Universo HQ []--> Futebol e quadrinhos: uma caixinha de surpresas e fortes emoções.
Futebol em quadrinhos